Procurar

HORÁRIOS: de quinta a sábado, de 12h às 20h e domingo, de 10h às 18h.

Notícias

Minibios – Seminário “Leonilson: Da qualidade de ser forte” – Pinacoteca do Ceará

Seminário “Leonilson: Da qualidade de ser forte”

17 de maio de 2024 – Auditório da Pinacoteca do Ceará

LISETTE LAGNADO

É doutora em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), crítica de arte e curadora independente. Nos anos 1980 e início dos 1990, trabalhou como editora da revista Arte em São Paulo e repórter no caderno “Ilustrada” da Folha de S. Paulo. Em 1993, recebeu o Prêmio de Melhor Exposição do Ano da APCA pela curadoria “A presença do ready-made, 80 anos” (Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo). É co-fundadora do Projeto Leonilson, responsável pela sistematização da obra do artista morto em 1993, e publicou Leonilson. São tantas as verdades (Sesi, 1996). Entre 1999 e 2002, concebeu e coordenou a digitalização e catalogação dos manuscritos de Hélio Oiticica para o Itaú Cultural, instituição na qual atuou também para o projeto Rumos Itaú Cultural (2005 e 2006). De 2001 a 2010, co-editou a revista eletrônica trópico, que participou da “documenta 12 magazines” (Kassel, Alemanha). Em 2013, foi curadora do 33º Panorama do Museu de Arte Moderna de São Paulo. Dirigiu e coordenou os programas públicos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Rio de Janeiro, 2014-2017). Foi curadora da 27ª Bienal de São Paulo (“Como Viver Junto”, 2006), da exposição “Desvíos de la deriva” no Museo Reina Sofía em Madri (2010) e co-curadora da 11ª Bienal de Berlim (2019-2020). Publicou extensamente sobre artistas brasileiros e estrangeiros, em veículos especializados. Mais recentemente, foi coordenadora curatorial da exposição “A parábola do Progresso”, junto com André Pitol e Yudi Rafael (Sesc Pompeia, 2022-23).

 

EFRAIN ALMEIDA

Nasceu em Boa Viagem, Ceará, Brasil, 1964. Desde o final dos anos de 1990 o artista vem participando de várias exposições coletivas e individuais no Brasil, Estados Unidos, Europa e Ásia. Com trabalhos pertencentes a inúmeras coleções particulares e institucionais. Tais como no Museu de arte Moderna do Rio e São Paulo, MoMa – NYC, Toyota Art Museum – Japao e Fundação ARCO Madrid.

RICARDO RESENDE

É mestre em História da Arte pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), tem carreira centrada na área museológica. Trabalhou de 1988 a 2002 entre o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo e o Museu de Arte Moderna de São Paulo, quando desempenhou as funções de arte-educador, produtor de exposições, museógrafo, curador assistente e curador de exposições. De 1996 a 2017, foi curador e consultor do Projeto Leonilson. De março de 2005 a março de 2007, foi diretor do Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza, no Ceará. De janeiro de 2009 a junho de 2010, foi diretor do Centro de Artes Visuais da Fundação Nacional das Artes, do Ministério da Cultura. Depois, foi diretor geral do Centro Cultural São Paulo de 2010 a 2014. Curador do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea de 2014 a 2023, no Rio de Janeiro. Entre suas mais importantes e recentes exposições estão: Panorama da Arte Brasileira do Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 2001; as mostras retrospectivas Sob o Peso dos Meus Amores, do artista Leonilson, no Itaú Cultural e Sérvulo Esmeraldo, na Pinacoteca do Estado de São Paulo, em São Paulo. A mostra I FotoBienalMASP organizada em 2013. Em 2014, organizou a mostra Arquivo Vivo Sérvulo Esmeraldo, no Instituto de Arte Contemporânea, São Paulo. Em 2016, curou a exposição Mais que humanos – Arte do Juqueri, no Museu Emilio Ribas de Saúde Pública, em São Paulo. Em 2017, organizou a mostra Leonilson: arquivo e memória vivos, por ocasião do lançamento do Catálogo Raisonné do artista, na Fundação Edson Queiroz, em Fortaleza. Em 2018, organizou a 14ª Bienal Naifïs do Brasil, do SESC Piracicaba. Em 2019, Leonilson: arquivo e memória vivos, Centro Cultural Ruth Cardoso, FIESP, São Paulo. Curadoria da mostra Bispo do Rosário: Aparição, impacto e impregnação, 2022. Itaú Cultural, São Paulo. Curadoria da mostra Bispo do Rosário: All Existing Materials on Earth, janeiro de 2023. Americas Society, Nova Iorque, EUA. Curadoria da mostra Carimbos – Carmela Gross, fevereiro de 2023. Instituto de Arte Contemporânea.

ALINE ALBUQUERQUE


Aline Albuquerque nasceu em São Paulo em 1974. É artista visual, graduada em Artes Plásticas pela UNICAMP, mestra em Artes pelo PPGArtes-UFC. Desde 2019 coordena o Laboratório de Artes Visuais da Escola de Formação e Criação do Ceará – Porto Iracema das Artes. Interessa-se especialmente por arte e política, arte e educação, processos coletivos e colaborativos em arte. Nos últimos anos tem participado de exposições coletivas em instituições como o MAR (Museu de Arte do Rio), MASP (Museu de Arte de São Paulo) e o Museu Nacional da República. Em parceria com Lucas Dilacerda, realizou a curadoria da Exposição Reflorestamento, no MAC – Dragão do Mar (2022) que celebrou uma década do Laboratório de Artes Visuais da Escola Porto Iracema das Artes. Também assina a curadoria da exposição em cartaz na Pinacoteca do Ceará “Leonilson: Montanhas protetoras e ao longe, vulcões, rios, furacões, mares, abismos e Das amizades”, juntamente com Ricardo Resende.

PEAUG


Peaug desenha para entender sobre como chegar perto e como acreditar em si, também como se afastar e como desacreditar. Sua arte gira em torno de um ser que surgiu a partir de sessões de desenho direcionadas por esses sentimentos, com imagens que dão destaque pro toque das mãos e pra mira do olhar. Seu trabalho tem sido exposto principalmente nas redes sociais, fazendo parte da identidade visual de projetos artísticos, em zines e ilustrando livros.

LEOPOLD NOSEK


É psiquiatra, formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, e psicanalista. Foi diretor da Federação Psicanalítica da América Latina, presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo e editor de Psicanálise Internacional, boletim informativo da Associação Psicanalítica Internacional. Em 2014, recebeu o Prêmio Sigourney, concedido anualmente pelo Mary S. Sigourney Award Trust a profissionais ou organizações que fizeram contribuições significativas à psicanálise clínica e à pesquisa psicanalítica. Nosek organizou a exposição “Freud: Conflito e Cultura” (São Paulo e Rio de Janeiro, 2000), foi co-curador da exposição “Dor, Forma, Beleza” (Estação Pinacoteca, 2005), curador da exposição “Terror e Representação” ciclo de filmes (Cinemateca Brasileira, 2005) e coordenador do ciclo “Cinema e Psicanálise: América Latina sem Fronteiras” (Cinemateca Brasileira, 2011).

ADRIANO DE LAVOR


É formado em Comunicação Social (UFC), Mestre em Comunicação e Cultura (ECO/UFRJ) e Doutor em Informação e Comunicação e Saúde (Icict/Fiocruz). Atuou em diversos setores da imprensa cearense até início dos anos 2000, passando por Jornal O POVO, TVC e TV Jangadeiro; desde 2006, é servidor da FIOCRUZ, no Rio de Janeiro, onde atua como repórter na Revista Radis, da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP). Como pesquisador, participa do Grupo de Estudos Comunicação e Desigualdades em Saúde e do Observatório Saúde na Mídia (OSM), além de coordenar o Grupo de Trabalho de Comunicação da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). Tem experiência com práticas de Jornalismo e Saúde e com ações de consultoria, assessoria e ensino em organizações do Governo e da sociedade. Atualmente, pesquisa comunicação, visibilidade social, políticas públicas e saúde, com foco nas populações em situação de vulnerabilidade.

OUTRAS NOTÍCIAS

Pular para o conteúdo